quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Como seria sentir seu abraço novamente? Sentir-se protegida, saber que tem alguém mais forte do que eu pra cuidar de mim. Que não me magoaria, nem me faria mal nem se eu merecesse, porque eu serei para sempre o seu ágape. Não precisaria me preocupar em acabar como outras garotas porque jamais teria atitudes semelhantes, já que você me ensinava a ser diferente. Você estaria aqui para me parar quando necessário e trilhar o caminho comigo. Que irônia do destino, não? Reclamava por você segurar a minha mão para atravessar à rua e agora me faço inconsolável porque quero segurar à sua para atravessar à vida. Havia uma menininha de 12 anos conhecia o pai, mas essa mulher de 18 desconhece o que é ter um. Não há ninguém a quem posso culpar por isso, jamais serei ingrata, pois seus ensinamentos e nossas lembranças são as coisas mais preciosas que possuo e ninguém pode me tirar. Deus, não considero justo! Por que eu? Tanta coisa já me aconteceu que eu nem sei mais se continuo sendo a princesa dos olhos do papai, e morrer com essa inquietação só faz piorar a dor da ausência. Queria tanto matar essa saudade e quanto mais tento medir quanto tempo falta pra te rever, pai, mais dói saber que "nunca mais" é indeterminado. A saudade, a distância e o vazio são infinitos, mas afinal; quantos infinitos cabem em um coração?
video

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

"Pertubadoramente apaixonante" - pensou ela com tamanha convicção jamais sentida anteriormente. O homem, o meu primeiro homem, cuida de mim como um anjo e faz com que eu sinta-me pisada e humilhada como um senhor sem compaixão. Desperta-me tantos sentimentos que não encontro outra saída que não seja transborda-los pelas janelas da alma, onde todo o amor e a tristeza que sinto podem ser encontrados, tão puros e intensos. O homem que me faz crescer como mulher é o mesmo que me faz chorar como menina e me sentir como alguém sem valor algum, mas é esse mesmo homem que beija-me dos pés à cabeça, sussura em meu ouvido e vem de longe quando a noite engole o céu para aconchegar-me e dormir colado ao corpo meu.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Caminhar com as próprias pernas, é libertar-se. De início amedronta e não há tanta segurança em quais decisões deve-se tomar, mas arriscamos da mesma forma porque a vontade de sentir-se de tal maneira é maior que o medo de não alcançar. Custou-me alguns anos, muita força de vontade e um pouquinho de autoconfiança para decidir que daquele momento em diante, quem tomaria as rédeas da carruagem da minha vida, seria então, apenas eu mesma. Custou-me mais caro ainda apostar em um amor tão forte, que superou o medo de ouvir avisos de expectadores diversos de minha vida, os quais faziam muita questão de acompanhar cada capítulo único daquela novela mexicana, que sinceramente? Não via a hora que chegasse ao fim! Como sempre nada é tão fácil quanto escrevo, e pela primeira vez sinto-me orgulhosa não somente por ter tomado minhas próprias decisões e suprido minhas vontades e necessidades, mas também por conseguir assumir que se as coisas sairem um pouco do que me é aceitável, serei madura o suficiente para suportar minha infeliz sentença sem importunar e dar motivos as pessoas a dizerem aquela famosa frase que serve como um soco no estômago, "Eu avisei". Além do mais, nada melhor do que se sentir a leveza da consciência limpa e de dever cumprido. Uma das desvantagens de basear-se em opniões alheias é que no fim, independente de obter um resultado de bom agrado ou não, é que eu sairia sempre com o arrependimento de "deveria ter tentado", uma vez que desistir de algo que se deseja muito por causa do que outras pessoas sugerem é irrevogavelmente arrependedor. E eu jamais conseguiria dormir sabendo que existiam mais possibilidades de fazer dar certo e eu não coloquei-as em execução ou nem ao menos cogitei a idéia por puro medo, e Deus me livre de sentir esse medo paralisante! Prefiro mil vezes descobrir por mim mesma, matando os desejos do meu coração, do que caminhar com as pernas dos outros sempre blindada a sentimentos sejam eles bons ou ruins, percorrendo um caminho que não é meu. Privando-me talvez de borboletas na barriga, suor nas mãos e um coração que batesse tão forte a ponto de quase sair pela boca, ou decepções que serviriam de ensinamentos pro resto da vida sejam lá quais fossem. Caminhar com a próprias pernas e não se privar de viver tudo o que sentir que deve, é aproveitar cada pedaço do caminho escolhido a ser trilhado, é por fim simplesmente viver.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Eu preciso dizer que te amo. Primeiramente, porque acho fantástico tudo que é seu ou vem de você, já que dificilmente em tudo o que você faz, encontro defeito. Tudo o que você diz é pertinente e você sempre sabe até onde pode ir e principalmente; como ir. Eu preciso dizer que te amo, porque a forma como você beija meu corpo inteiro até achar um outro caminho, me deixa louca. Preciso dizer que te amo, porque o seu corpo é o melhor lugar que achei para me perder. Eu preciso dizer, porque os teus cuidados são únicos, a tua mão entrelaçada na minha fica tão mais charmosa e minha alma fica tão mais bonita ao lado da tua. Eu preciso dizer que te amo, porque cada momento com você é único e incomparável, pois você tem todo um jeitinho de tornar tudo tão marcante pra mim. Eu preciso dizer que te amo, porque meu namorado é a melhor pessoa do meu mundo, e meu melhor amigo é meu namorado. Porque meu amor me faz querer ser ao menos metade do quão bom é pra mim, a você de volta, e tentar te fazer sentir amado da mesma forma que eu desejo ser também. Eu preciso dizer porque a pessoa em que mais confio, desejo e sou grata é com toda certeza a pessoa que mais amo. E a pessoa que mais amo, com toda certeza, é você Amor!

terça-feira, 23 de julho de 2013

Queria que você visse como as coisas andam por aqui. A antiga casa está renovada, aquela pintura que a gente fez eu você e a mãe em 2002 descascou e a gente teve que pagar pra repintar. Cobrir os buracos da "nossa pintura" o cara era bom, foi dando uma ajeitadinha ali outra aqui enfim, nada tão belo quanto nosso trabalho em equipe, não tinha na pintura o seu amor pelo nosso cantinho mas deu pro gasto. Resolvemos ampliar tudo o que você amava, inclusive a casa que você tanto fez para comprar. Ampliamos os ambientes, assim como nosso coração também, e uma das maiores certezas de hoje é que aprendemos a lidar perfeitamente com o ''seu'' lugar. Queria que você soubesse que eu conquistei diversas coisas boas e aprendi outras com os meus erros. Fiz tanta coisa que você não aprovaria mas também fiz outras que sei que te deixaria cheio de orgulho. Não sou mais sua princesa, não vivo mais no meu mundo fechado. Já apanhei bastante sem você, mas como sempre você me ensinando algo até com a sua ausência, não é? Assim como a nossa casa velha, eu tenho deixado as pessoas darem retoques em mim, cobrindo os buracos, arrumando as falhas. Disfarçando essa saudade e a falta que faz você na minha vida. Queria tanto que você conhecesse cada pessoa que entrou na minha vida, desde que você "saiu" dela. Você ia se surpreender com cada personalidade diferente que interagi seja boa ou ruim. Cada sorriso que me roubaram, cada palavra que me proferiram, cada lagrima que me fizeram derramar, e principalmente quem me descobriu e me fez gostar pela primeira vez. Acho que por fim a vida é isso, não é? Pintar e retocar a ausência de pessoas importantes com outras pessoas que se tornam, ao decorrer do tempo, importantes também. Mas o interessante e nunca esquecer quem esteve sempre por ti. Sei que te tenho aqui pertinho de mim. Minha maior saudade, meu maior amor. Amo você incondicionalmente, pai!

sábado, 20 de julho de 2013

Não sinto mais necessidade de estar em contato com gente, nem é mais automatico deixar quase que o tempo todo um sorriso abrir-se como quem vive tão de bem com a vida. Não sinto necessidade de ser simpatica e causar boa impressão mais, não sinto vontade de cumprimentar efusivamente os meus amigos, de contar o que eu comi no café da manhã ou falar sobre como meu relacionamento está perfeito e que depois de tanto tempo, estou vivendo tudo que eu sonhei. Porque seria mentira. Estou vivendo um pesadelo, e todo o medo que eu tinha que se tornasse realidade quando resolvi permitir que voltasse pra minha vida, acontece. Acontece bem em baixo dos meus olhos, desde a forma como eu não sinto vontade de mais nada e os números da balança que resolveram pesar menos, até a necessidade ridícula que eu sinto de saber que ele meu. Eu sinto necessidade de alguém que me traiu, que me maltrata, que me pisa, que me faz sentir inferior, que me julga, que me faz chorar e pior: me faz ama-lo. Mas esse não é mais um texto de como ele me faz mal e bem ao mesmo tempo, uma vez que até eu estou cansada dessa história. É sobre algo mais complexo; é sobre alguém que aos poucos está perdendo a ''necessidade'' de ser quem era. Talvez eu esteja trocando de roupa, aos poucos, peça por peça. Primeiro as amizades, depois as coisas que eram de maior importancia, os conceitos. Esse é um texto sobre como tornei-me tudo que mais temia, mas não sinto como se fosse errado. Estou trocando algumas certezas de lugar e bagunçando mais ainda meu guarda-roupa tão mal organizado, mas pretendo lembrar quem sou e quem realmente quero ser depois disso tudo. Depois de você, mas principalmente depois de mim.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Esperou (quase) três longos anos. Desde a primeira vez que colocou seus pés no mesmo ambiente que ele, soube que haveria algo a mais. E quando houve e parecia ter chegado ao fim, sabia que aquele não era o final. Esperou todos os dias como quem espera alguém que diz “Até logo" e não “Adeus" como quem diz que volta, como alguém que não segue em frente como seguiu. Ela esperou. 730 dias, 729, 728, tic-tac, tic-tac. Não se sabe ao certo se ela morreria ali esperando se ele não voltasse, ou se alguém por ventura a levaria consigo e a faria esquecer, mas não aconteceu. Ele por fim cansou-se de sua nova história, e optou por tentar recomeçar a sua anterior, enquanto ela que vivia de perfumes e amores nunca se apegou a nenhum, aceitou por fim recomeçar. Deus, como era bom sentir aquele frio na barriga de revê-lo depois de tanto tempo! Quando ele apareceu, ela o esperava no ponto pensando nas milhares de formas de cumprimenta-lo. O que dizer? o que fazer? Aonde ir? Deusssssss! Quantas dúvidas cabem no espaço de tempo! Quanto sentimento que parecia exausto de tanto esperar e estava apenas adormecido. Eles caminhavam como dois estranhos conhecidos, caminhavam um ao lado do outro na mesma calçada, mas havia um abismo entre os dois. Tanta coisa inacabada, tantas palavras não ditas, tantas dúvidas não esclarecidas, tantas curiosidades. Parecia um sonho. Sair da casa dele as 20h00 de mãos dadas depois de passar uma tarde inteira curando nossos corações tão carentes de nós mesmos, tão cheios de “E se?" se recorda de caminhar pela rua escura, dando risada das coisas que ele contava, era como se estivesse conhecendo-o novamente. Mandava-lhe recadinhos em corações, chocolates e beijos. Ficava até as 03h00 tentando despedir-se mas era tanto a dizer que somente um “Boa noite, amor! Já estou com saudades" jamais seria suficiente. Ele tinha manias tão irritantemente agradáveis e únicas que enchia o coração dela de orgulho só de pensar na sorte que possuía. E não haveria uma forma mais pura de mostrar sem dizer alguma palavra a ele, como ela se sentia orgulhosa e feliz por te-lo, se não dando a ele seu bem mais precioso, e assim foi. Ele havia mudado! Ele havia mudado pra melhor! Ou talvez não. De repente o tempo fechou, os pássaros todos voaram pra longe e nesse amor todo começou a chover a maior tempestade de todos os tempos! Chorava e desejava morrer a pensar que ele havia mentido novamente! Se faria coisas ruins a seu coração, por que então resolveu voltar? Seu amor era tanto que mesmo enxergando tudo o que ali acontecia, deixou vigorar o que tinham combinado recomeçar. Fraquejou, quase desistiu, quase optou por vingar-se, mas Graças a Deus desistiu mesmo foi da vingança. Mas, se não queria mesmo magoa-la por que então optou por cheirar outra flor? Uma flor antiga, que já conhecia o aroma. Por que, então? Dói incessantemente imagina-lo fazendo isso, dói mais do que todas as vezes que o viu fazer isso anteriormente. Dói porque agora ela sentia que ele era dela. Ela era dele. Ela tinha deixado ele sentir seu aroma, por que então ele quis sentir o da outra flor? Dói, dói e dói. Quis por fim desistir de ouvir outros jardineiros, a outra flor e tantos outros, pois queria ouvir somente a ele. Tudo que queria no final era te-lo como vinha tendo, porque o que tinham era tudo que ela sempre sonhou que tivessem. Talvez sua espécie de flor não seja representação de pureza e inocência, mas ainda sim era uma flor com aroma agradável e linda. Sabia que poderia transformar a vida dele com a sua beleza, e apostava nisso, mesmo ele tendo feito o que fez. Perdoar é divino, e talvez o amor mesmo cansado, arranje forças para sempre um “a mais" ou talvez o amor que pertence a ela seja assim. Voltaram a caminhar um ao lado do outro na mesma calçada, mas novamente havia um abismo de coisas não esclarecidas entre eles. Talvez só amor não seja suficiente, talvez amar seja algo tão doloroso e mesmo assim não abrimos mão porque mais doloroso e não ter quem amamos. Talvez nós sejamos a história que li aos 11 anos de idade de dois porcos espinhos que sentiam frio, mas quando abraçavam-se para aquecer um ao outro se machucavam com seus espinhos e sangravam. Talvez você seja meu porco espinho. Talvez eu seja o seu. Talvez eu tenha feito você sangrar quando o que eu mais quis era te abraçar forte, mas eu também estou sangrando e não sei por quanto tempo mais irei sangrar.